quarta-feira, 11 de março de 2015

Discurso da presidente incomoda a população

Na noite de domingo, 8, Dia Internacional das Mulheres, a presidente Dilma Rousseff fez um pronunciamento em rede nacional parabenizando às mulheres. Mas, na verdade, ela aproveitou o ensejo para se explicar e se defender.

Logo no início Dilma joga em cima da mídias, sejam elas televisivas, impressas, radiofônicas ou online, parte da culpa pela visão negativa que a população têm de seu governo. Diz que os noticiários não são suficientes e que, as vezes, até confundem as pessoas ao invés de esclarecer. Acrescenta que as conversas que temos em casa, com nos familiares, e no trabalho, têm de ser 'completadas por dados que nem sempre estão ao alcance de todos'. Acredito que o motivo de isso ou aquilo não estar ao nosso alcance é devido a falta de transparência do governo, que muito esconde, pois muito teme.

Alguns minutos depois a presidente diz que a crise que o Brasil passa não é tão grande quanto dizem e que os problemas são 'conjunturais', ou seja, não duradouros. Se não fosse tão duradouro a população não estaria indo às ruas, fazendo protestos e desesperados por perderem seus empregos devido o baixo crescimento - detalhe - desde o início de 2014.

No mesmo trecho ela diz que as crises do passado foram piores, pois paralisaram o País, diferente da crise atual. Mais uma vez não sei o que significa 'paralisar' na visão dela. Basta pegar como exemplo as demissões em massa em grandes empresas de setores diversos como o da indústria, em específico, o automobilístico. O mercado está parado, não está havendo geração de renda, muito menos de emprego. E a presidente diz que estamos protegidos, pois 'nossa capacidade de produzir e gerar renda' está garantida. Em que mundo ela vive?

Em seguida, Dilma arruma mais dois culpados: a crise internacional que, segundo ela, é a maior desde 1929 e a seca intensa. A governante insiste em dizer que o País continua a crescer apesar da crise, assim como o emprego e o salário. Precisa perguntar a Dilma de que país falou no pronunciamento, pois se o Brasil estivesse tão bem quanto fala, o cenário seria outro. A frase 'realizamos elevadas reduções de impostos' deveria estar ao contrário, pois o que estamos vendo é o aumento dos impostos, de quase todos eles.

O pronunciamento pintou uma imagem límpida, sem grandes problemas, de crescimento e de um futuro de benefícios para todos. A presidente fala com uma 'tranquilidade assustadora' que nos faz pensar: Será que ela acredita no que ela mesmo fala? A população não cai mais nesse papo ilusório. Prova disso foi o 'panelaço' e 'buzinaço' que cidadãos de capitais diversas fizeram durante o discurso.

Abaixo você pode rever as palavras fictícias da presidente, ver o 'panelaço' e ver a reação dela após o 'panelaço':

Pronunciamento Irreal

Panelaço

Pós Panelaço